terça-feira, 24 de março de 2015

Evite dores no ombro provocadas por tendinite

http://www.paolaprevato.com.br/wp-content/uploads/2013/06/paola-prevato-dor-no-ombro-pilates-rpg-375x215.jpg

Fisgadas, câimbras e fraqueza ao levantar qualquer objeto são os principais sintomas da tendinite, uma inflamação do tendão que pode acometer regiões do corpo como calcanhares, cotovelos, joelhos, ombros ou pulsos. A tendinite pode ser o resultado do uso excessivo dos tendões e dos músculos. Surge quando ocorre um desequilíbrio na força muscular. Realizar movimentos de forma errada ou levantar pesos além da sua capacidade são as causas mais frequentes — conta o médico.

As profissões mais afetadas pelas tendinites de ombro são aquelas em que o indivíduo executa atividades com o braço acima da cabeça como professores, trabalhadores braçais, pintores e esportistas que realizam movimentos de arremesso.

Outro fator de risco é a perda de massa muscular e elasticidade dos tecidos com a idade. Por isso que pessoas acima dos 60 anos tendem a apresentar mais problemas do tipo.

Quem apresenta tendinite no ombro pode sentir dor durante a movimentação da articulação —  ao levantar o braço acima da cabeça ou durante a prática de algum esporte. A dor geralmente ocorre na parte superior do ombro, mas também pode aparecer atrás da articulação.

Pode ser feito inicialmente com compressas de gelo (três ou quatro vezes ao dia). Além disso, medicamentos também podem ser utilizados para controle da inflamação e alívio da dor.

Já as sessões de fisioterapia irão ajudar a manter ou recuperar o movimento e a força do membro afetado. Com relação aos exercícios físicos, devem ser moderados e não devem causar dor até a recuperação total do tendão lesionado. A prática de alongamentos e de fortalecimento muscular ajuda a prevenir novas lesões.

É preciso manter cuidado ao realizar movimentos repetitivos. Eles exigem pausas prolongadas, ou seja, é importante parar e alongar para não forçar os tendões e os músculos.

Outra dica importante é beber muito líquido, pois ajuda a preservar as articulações. Com os braços soltos faça movimentos circulares para soltar a musculatura e aliviar os tendões nessa área. Depois leve o braço esquerdo em direção ao direito e com a mão direita pressione levemente o braço até que consiga sentir a musculatura se esticando. Repita esses movimentos três vezes ao dia.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Tendinite é a maior inimiga dos pianistas e tecladistas



A Tendinites causadas pelo esforço repetitivo são um dos grandes problemas dos instrumentistas, principalmente, os pianistas e tecladistas. Hoje, no Portal Serenata, iremos apresentar as causas e algumas dicas para evitar estes problemas.

Os principais fatores da L.E.R (Lesões por esforço repetitivo), no caso dos pianistas, se dá pela má postura em frente ao piano, tensão nos ombros e pulsos, musculatura despreparada e movimento repetitivo por longos períodos.

A postura no piano e teclado é um ponto fundamental para evitar estas contusões. É preciso ficar com as costas retas, pés apoiados no chão, os cotovelos em ângulos de 90º e manter os pulsos altos e retos. Sobre as mãos nas teclas é importante deixar o pulso mais relaxado possível na posição natural para facilitar quando pressionar.

É importante saber que tocar é um exercício físico e isto exige preparação. Você deve condicionar seus músculos para determinado esforço. Muitos músicos têm grande capacidade de memorização e gravação de movimentos mas não se preparam fisicamente para execução, e é justamente neste momento que as tendinites surgem. Por isso, é importante ter pés no chão e evoluir gradativamente.

De qualquer maneira, não existe outra solução para evitar problemas que a execução regulares de escalas. Guarde 20 minutos para fazer “musculação” de Hanon e Czerny. Porém, faça devagar! Isto é importante porque além de preparar a musculatura adequadamente, ajuda seu cérebro a entender como devem ser os movimentos.

Cuide sempre de todos os detalhes quando for exercitar. Observe a tensão no pulso/ombro e flexibilidade do pulso. Com o tempo você irá naturalmente acelerar o processo até chegar a velocidade ideal. Se você é iniciante procure orientação. Não faça nada sozinho para não criar vícios difíceis de serem corrigidos. Cuide de você.

Fonte

Motivos para aparecer tendinites em desportistas



A tendinite é uma clássica lesão de sobrecarga (esforço repetitivo) que afeta um ou mais tendões, gerando muita dor, inflamação e até deformidades ósseas se a lesão for crônica. Os tendões são estruturas anatômicas que unem os músculos aos ossos dando movimento aos mesmos. Portanto, em todo corpo, onde há tendão, pode haver tendinite e no pé e tornozelo não seria diferente!

Tendinite é um problema comum entre pessoas que trabalham duro, com sobrecarga dos esforços. Ou são atletas que aumentam a intensidade ou mudaram o treinamento.

Os sintomas incluem dor ao mobilizar o pé e tornozelo e, principalmente, ao longo do curso do tendão.

Pode haver além da inflamação (calor, rubor, edema e dor) formigamento, pontada ou fisgada, devido à inflamação do nervo que rodeia o tendão.

A radiografia simples é recomendada como o estudo de imagem inicial. Os resultados são geralmente normais, mas o estudo pode revelar calcificação do tendão, osteoartrite, ou um corpo livre.

Ultrassonografia pode mostrar áreas de tendinose e é útil para a obtenção de um exame dinâmico. A ressonância magnética também oferece boas imagens do tendão, especialmente se o tratamento cirúrgico está sendo considerado ou para avaliar a gravidade e excluir rupturas.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Como perceber os sintomas da tendinite?



A tendinite é a inflamação do tendão, uma estrutura fibrosa, como uma corda, que une o músculo ao osso. A inflamação se caracteriza pela presença de dor e inchaço do tendão e pode acontecer em qualquer parte do corpo, mas é mais comum no ombro, cotovelo, punho, joelho e tornozelo.

Mas como perceber que isso aconteceu? Muitas pessoas ignoram a presença de dor no local, que pode irradiar para toda musculatura ao redor, que acaba entrando em espasmo de proteção e fadiga com sensação de peso. Ignora a dor que piora com o movimento e pode acarretar diminuição da força e, em casos de longa duração, causar atrofia da musculatura. Ignoram um possível inchaço local e presença de calor e/ou vermelhidão. Quando o braço, punho ou ombro começam a doer o mais comum é que as pessoas ignorem o sinal até que ele se transforme em um diagnóstico: tendinite. E uma vez instalada, a doença torna-se difícil de tratar e, muitas vezes, reincidente.

Para evitar que isso aconteça, é importante perceber que cada pessoa possui uma necessidade diferente no que diz respeito à prevenção e tratamento da tendinite e fatores como a profissão e o biótipo influenciam nesta matemática.

É necessário adaptar o tendão para suportar o ritmo de trabalho de cada um. Alguém que digita 500 palavras por minuto precisa fazer uma musculação, alongar para deixar o tendão mais forte e assim suportar esse ritmo. Não ha mistério porém as pessoas tendem a ultrapassar o limite do próprio corpo.

Ao perceber os sintomas, procure um profissional para te ajudar. Quando mais cedo for combatida, mais rápido essas dores/incômodos/inchaço vão embora.

Boa sorte.

Escrito por Dani Souto

Ícone Facebook Ícone Twitter Ícone Google+ Ícone Instagram

Ícone Facebook Ícone Twitter Ícone Google+ Ícone Instagram

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Pausas durante esforços repetitivos ajudam a prevenir tendinite e bursite

http://ojoelho.com.br/wordpress/wp-content/uploads/2014/03/TENDINITE-BURSITE-640x360.jpg

Pequenos hábitos do dia a dia como torcer um pano, levantar objetos, digitar ou até mesmo usar o celular podem causar bursite e tendinite. É preciso cuidado também ao realizar movimentos repetitivos. Eles exigem pausas prolongadas, ou seja, é importante parar a cada hora e realizá-los da maneira correta. Para prevenir, é importante também beber muito líquido, o que ajuda a preservar as articulações. Aquecer os músculos e fortalecê-los com exercícios físicos também ajuda na prevenção.

A bursite é uma inflamação nas bursas, "bolsinhas" que protegem não só as extremidades ósseas dos ombros, mas também de outras partes do corpo como os cotovelos, joelhos e quadris. Ao sobrecarregar o ombro com peso, pode inflamar a articulação, o que pode causar tanto bursite como a tendinite, que é uma inflamação nos tendões, que são as estruturas que ligam os músculos aos ossos.

As dores das duas inflamações são parecidas e uma pode causar a outra. Mas é importante saber que ambas podem ser evitas, têm tratamento e têm cura.

Traumas, como dormir em um colchão duro, também podem causar problemas. Outros fatores como carregar bolsas e sacolas da maneira errada também oferecem riscos.

Se for impossível evitar carregar muito peso, o ideal é optar por sacolas com as alças mais largas, para distribuírem bem o peso e diminuir a força nas estruturas ósseas. É recomendável também não carregar tudo nas mãos e distribuir o peso pelos braços.

Caso a sacola já esteja mais velha e a alça esteja afinando, é recomendável a passar com o ferro a alça para deixá-la larga e não causar problemas.

No caso das mochilas, o correto é usar as duas alças, de preferência alcochoadas, e não apoiá-la em um só ombro para não provocar problemas de postura.

Outro problema é o uso do celular. O ideal é usar as duas mãos para digitar e não exagerar na repetição dos movimentos. Para falar ao celular, o certo é sempre segurar com uma mão e revezar os braços para evitar a fadiga. Não é ideal segurar o telefone com o ombro porque isso pode causar dores.

A bursite e a tendinite são mais freqüentes nas mulheres de meia idade e em pessoas que repetem sempre os mesmos movimentos.  Compressas de água fria são mais efetivas para inflamações de tendão, mas as quentes também ajudam.

Ao contrário do que a maioria pensa, a massagem não ajuda e pode até piorar a inflamação. Uma das formas de tratamento é imobilizar a região. Caso a pessoa sinta dor nas articulações, é importante sempre procurar um médico.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Epicondilite em esportistas

http://static.squarespace.com/static/50c09cd0e4b027d6ed73ed24/t/5133fd60e4b03c8ebed8f4fa/1362361742196/epicondilite02.png


É a inflamação dos tendões do cotovelo, acometendo principalmente os músculos extensores de punho e dedos, também chamada de cotovelo de tenista por ser muito comum neste esporte.

Causas:

Geralmente ocasionada por uso excessivo dos músculos do braço no esporte (tênis, golfe, musculação, etc.) ou também em atividades da vida diária como o uso excessivo de computadores. Mas também pode ser uma patologia que se manifesta se existirem fatores predisponentes como problemas na cervical, no ombro, corda da raquete de tênis mal regulada e gestual esportivo incorreto.

Sintomas:

Inicialmente com dor ao esforço na parte lateral do cotovelo, evoluindo para dor com perda de força no antebraço até para leves movimentos como abrir maçanetas.

Tratamento:

Pouquíssimos casos são cirúrgicos, mais indicados para calcificações que não respondem a Fisioterapia. O diferencial no tratamento nesses casos é identificar outros fatores que contribuem para a permanência da lesão, como dito anteriormente, e além dos tratamentos mais conhecidos como cinesioterapia (fortalecimento, alongamento, etc.), crioterapia ("gelo"), eletroterapia (TENS) é importante o uso da terapia manual para restabelecer o equilíbrio muscular do membro superior acometido e da cervical, liberando os pontos de tensão muscular.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...