Mecanismo da lesão da Tendinite de Aquiles





http://www.dicasdedanca.com.br/wp-content/uploads/2009/08/tendao-aquiles-237x300.jpg

O desenvolvimento da lesão é quase sempre gradativo e a longo prazo. As atividades repetitivas de sustentação de peso, como a corrida ou treinamento físico, em que a duração e a intensidade aumentam muito rapidamente, com tempo de recuperação insuficiente, pode piorar o distúrbio. Devemos considerar, também, o uso de calçados inadequados à prática esportiva (observar tipo de pisada) como sendo um elemento que pode desencadear a tendinite. Vemos, também, que uma biomecânica alterada, tanto na corrida, como na marcha ou nos saltos, motivam o aparecimento da lesão. Para isso, é necessário corrigir o movimento da corrida, da passada, do ritmo, do contato inicial com o solo. Observar a boa execução técnica do movimento, sem dúvida, minimiza o risco de lesões. Outros aspectos a serem considerados e que aumentam a força de tensão no tendão são:

- Pronação excessiva da articulação subtalar (talus e calcâneo, ossos do tornozelo), com concomitante rotação interna da perna.
- Antepé varo (para fora)
- Tíbia vara
- Anteversão do fêmur (para frente)

Devemos pensar que a diminuição da flexibilidade nos músculos da panturrilha, aumentam a pronação da articulação subtalar, podendo levar à tendinite. Caso o atleta continue a treinar ou competir, o tendão ficará mais inflamado e a musculatura da panturrilha ficará menos eficiente.

Mecanismo da lesão da Tendinite de Aquiles Mecanismo da lesão da Tendinite de Aquiles Editado por saude.chakalat.net on 04:02 Nota: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.