Curta e Siga


Tendinite de Aquiles





Olá! Tudo bem? Esse blog faz parte da Chakalat.net e esse post fala sobre Tendinite de Aquiles.



Embora o termo tendinite venha sendo cada vez menos utilizado, sendo substituído por tendinopatia, irei usar o termo tendinite nesse post. Tendinite significa inflamação no tendão. Porém, em análises do que acontece em lesões dessas estruturas a nível microscópico, observou-se que ao invés de uma inflamação, há na verdade um processo de degeneração mais preponderante. Sendo assim, quando falamos tendinopatia e não tendinite, abrangemos muito mais do que uma inflamação. Tendinopatia significa doença no tendão, o que além de um processo microscópio de degeneração do colágeno, pode envolver também rigidez, dor, calcificações, aumento da espessura, inchaço e até rupturas.

O tendão de Aquiles liga a panturrilha (músculos tríceps da perna) ao osso do calcanhar (calcâneo). Vamos continuar chamando-o de tendão de Aquiles, pois esse nome é mais familiar, porém atualmente a nomenclatura correta é tendão calcâneo.

Geralmente, lesões nessa região vem de sobrecargas mecânicas.  A pisada errada em atividades físicas ou até mesmo no cotidiano pode ser um dos fatores responsáveis pelo aparecimento da tendinopatia de Aquiles. E nos últimos tempos, algo comum nesse quesito vem acontecendo com frequência para que esse tendão sofra: tentativas de alterar o tipo de aterrissagem de forma pouco adequada.

Quando ocorre a tendinite, o tendão fica dolorido ao ser  tocado, há edema e aumento de volume no local. A região do tendão onde é mais frequente a inflamação fica situada a cerca de 2 a 6 centímetros acima da inserção do tendão no osso.

A tendinite também pode ocorrer onde o tendão se insere no osso calcâneo (tendinite insercional). É comum a dor aumentar durante e após a atividade física e há um incomodo importante ao levantar-se da cama, pela manhã, durante as primeiras pisadas do dia. 

Quando o processo inflamatório é intenso, pode ocorrer dor mesmo em repouso. O termo tendinose do Aquiles é utilizado quando esta tendinite já é crônica e já há um processo degenerativo no tendão. Na tendinose o tendão encontra-se doloroso e espessado (mais largo).

Na presença de sinais e sintomas indicativos de dor no tendão de Aquiles, é importante que o ortopedista seja consultado para que seja feito o diagnóstico e iniciado o tratamento mais adequado, que pode envolver o uso de remédios, pomadas anti-inflamatórias e exercícios de alongamento.

O tratamento na grande maioria dos casos é conservador (sem cirurgia). É muito importante o repouso, com suspensão da atividades esportivas que possam estar inflamando o tendão. Em alguns casos, até a imobilização com uma bota, gessada ou removível, é necessário. Anti-inflamatórios podem ser utilizados, mas é preciso cautela com os efeitos colaterais destas medicações, principalmente em pacientes hipertensos, com histórico de problemas renais ou gástricos (úlcera ou gastrite). 

Gelo é um auxiliar importante no alívio da dor, e deve ser empregado, se possível, duas a três vezes por dia, com o cuidado para não queimar a pele. A fisioterapia também tem grande influência na melhora da tendinite. Inicialmente, deve buscar o alívio das dores e inflamação, mas em um segundo tempo, é necessário trabalhar o alongamento e fortalecimento da panturrilha, evitando deste modo a recidiva da lesão. 

Espero que você tenha gostado da nossa abordagem.

Se você for profissional da saúde, conheça a página que a Quero Conteúdo oferece com materiais gratuitos. Clique aqui .
Você também pode ter informações sobre Cursos Online para Profissionais da Saúde clicando aqui!

Se você quiser receber notícias sobre saúde em geral, entre nos grupos do Whatsapp e no grupo do Telegram.

Deixe seu comentário:

Nenhum comentário